Recent Comments

sexta-feira, 27 de março de 2015

UM ESPÍRITO MISSIONÁRIO


“E disse esta à sua senhora: Antes o meu senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria; ele o restauraria da sua lepra.” 2 Reis 5:3


Um catequista nativo de Cabo Palmas (África) estava trabalhando no Rio Cavalla, quando recebeu a visita de um camponês de Pauk, a 320 quilômetros no interior. Este homem o ouviu pregar. Logo depois, ele convidou o catequista e disse: “Eu quero ouvi-lo falar. Eu quero que você me fale sobre as coisas que estava falando agora a pouco”. “Mas”, disse o catequista, “você não iria me entender se eu lhe falasse sobre elas”. “Ah, sim”, respondeu ele, “mas deixe-me ouvi-las antes de eu voltar para a minha terra.” Assim, o catequista explicou-lhe o caminho da salvação, dizendo-lhe como Cristo sofreu e morreu pelos pecadores. Quando ele terminou, o ansioso ouvinte disse: “Você acha que Ele morreu por mim?”. “Sim, Ele morreu por você”. “Você acha que ele morreu por meu irmão?”. “Sim”. “Você acha que ele morreu pelo meu povo?”. “Sim, ele morreu por todos”. “Bem”, disse o homem, “eu irei e direi isso ao meu povo; você vem comigo?”. E ele não saiu do lugar até que tivesse a promessa de uma visita. Este é o espírito missionário. 


The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015




terça-feira, 24 de março de 2015

INIMIGOS DO EVANGELHO


“Mas os judeus desobedientes, movidos de inveja, tomaram consigo alguns homens perversos, dentre os vadios e, ajuntando o povo, alvoroçaram a cidade, e assaltando a casa de Jasom, procuravam trazê-los para junto do povo.” Atos 17:5


Gibbon que, em sua célebre história do “Declínio e Queda do Império Romano”, deixou um memorial de sua inimizade para com o Evangelho, residiu por muitos anos na Suíça onde, com os lucros de suas obras, comprou uma grande propriedade. Esta propriedade veio a ser a herança de um cavalheiro que, a partir de suas rendas, gastou anualmente uma grande quantia da mesma na promulgação do mesmo Evangelho que seu antecessor insidiosamente se esforçou para minar.


Voltaire se gabou de que com uma única mão iria derrubar o edifício do cristianismo que exigiu as mãos de doze apóstolos para construir. A imprensa que ele empregou em Ferney, para imprimir suas blasfêmias, foi utilizada depois em Genebra, na impressão das Sagradas Escrituras. Assim, o mesmo instrumento usado no trabalho de destruir o crédito da Bíblia foi empregado na divulgação de suas verdades. 

The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015





sábado, 21 de março de 2015

PERGUNTAS PARA LEITORES DA BÍBLIA – PARTE 3 – RESPOSTAS

Respostas das Perguntas de 29 a 42


29. A última parte de Hebreus 3:16 aplica-se a Calebe e a Josué.

30. Os últimos cinco versículos do Salmo 57 formam os cinco primeiros versículos do Salmo 108.

31. A neta de Jacó chamava-se “Sera”. (Gênesis 46:17).

32. Em João 1:41-45 lemos que, no casamento em Caná, Pedro, André, Filipe e Natanael estavam com Jesus.

33. A esposa de Judá já havia falecido quando Jacó e sua família foram para o Egito (Gênesis 38:12).

34. A mãe de “Tiago, filho de Alfeu” chamava-se “Maria” (Mateus 10:3; Lucas 24:10).

35. Paulo explica a expressão “o mistério de Cristo” em Efésios 3:3-6.

36. 2 Crônicas 29:30 mostra que os Salmos de Davi foram utilizados nos dias de Ezequias.

37. A partir de Gálatas 1:18, 19, fica evidente que Pedro e Tiago são os apóstolos mencionados em Atos 9:27.
38. As declarações contidas em Juízes 8:10 mostram que os midianitas contados eram pelo menos 135 mil.

39. As duas visitas de Paulo a Cesareia são mencionadas em Atos 9:30 e Atos 21:8.

40. Ao compararmos Filemom 2 e 10 com Colossenses 4:17, e a subscrição desta epístola, parece-nos que Onésimo era de Colossos.

41. Com base em Colossenses 2:1, parece provável que Paulo escreveu a Epístola aos Colossenses antes de visitar a Igreja de Colossos.

42. Resulta que em Gálatas 1:18, quando Paulo fala de “três anos”, ele está se referindo ao mesmo tempo chamado de “muitos dias” em Atos 9:28.

Extraído de: The Wesleyan Sunday-School Magazine and Journal of Education, Vol 3, 1868.
Tradução e Adaptação ©Editora Letras 2015


sexta-feira, 20 de março de 2015

Para Compartilhar


A RELIGIÃO DOS ITÁLICOS


“E Paulo, como tinha por costume, foi ter com eles; e por três sábados disputou com eles sobre as Escrituras”. Atos 17:2


A estimada Sra. Graham, de Nova Iorque, considerava com muito apresso as obras do Dr. Owen, do Rev. William Romaine, e do Rev. John Newton, e as lia com prazer e proveito. Um dia, ela comentou com o Sr. B., seu genro, que ela preferia os teólogos antigos aos modernos, porque eles tratavam mais em itálico. “Querida sogra”, ele respondeu, “o que na religião pode haver em itálico?”. “Você sabe”, disse ela, “que os antigos escritores, para dar crédito às doutrinas que ensinavam, faziam uso da Palavra de Deus para comprová-las; assim, eles inseriam as passagens em itálico, e as suas obras têm, por vezes, a metade em itálico. Os teólogos modernos, pelo contrário, dão-nos uma longa série de raciocínio para nos convencer da sua opinião, mas há muito pouco em itálico.” 



The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015






quinta-feira, 19 de março de 2015

Para Compartilhar


quarta-feira, 18 de março de 2015

SILENCIANDO A ZOMBARIA


“Vede, pois, que não venha sobre vós o que está dito nos profetas: Vede, ó desprezadores, e espantai-vos e desaparecei; porque opero uma obra em vossos dias, obra tal que não crereis, se alguém vo-la contar.” Atos 13:40-41


O Sr. Soper, enquanto residia em Alfriston, na Inglaterra, depois de ter sido chamado para o conhecimento da Verdade, separou-se de seus antigos companheiros farristas. Alguns desses jovens levianos o encontraram um dia, quando ia para a capela, e se dirigiram a ele dessa maneira: “Bem, Soper, você parece ser muito zeloso na religião, em breve ouviremos que você se tornou um pregador. Venha, você não pode nos pregar um sermão?”. Soper muito gravemente respondeu: “Não, apenas citarei um texto, e deixarei vocês pregarem o sermão”. Então, com grande ênfase, ele recitou a passagem acima. As palavras caíram com tal peso em suas mentes que nenhum deles pôde dar uma resposta, e nunca mais nenhum deles o ridicularizou. 


The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015





Para Compartilhar


terça-feira, 17 de março de 2015

CRISTO TE CHAMA


CRISTO TE CHAMA

Theodore L. Cuyler


As três palavras mais doces que já chegaram aos ouvidos humanos são estas três proferidas por Jesus Cristo: “Vinde a mim”. Mesmo que extraíssemos toda a essência de toda a filosofia humana, esta não se compararia a tais palavras. Para quem é destinado esse cordial convite? Para todos; e se você, meu caro leitor, ainda não o aceitou, é diretamente para você. Observe quão curto, simples e direto é o chamado. É a urgência do amor. “Vinde!” – clama o hospitaleiro dono do banquete do Evangelho. “Minha ceia está preparada, e tudo está pronto.” “Venha!” – clama a voz da ansiosa afeição. “Você tem estado longe por muito tempo. Eu tenho um grande presente para você. Todo aquele que vem a mim tem a vida eterna!”. O amor sempre tem urgência, e a autoridade divina tem esse direito. Como se não fosse suficiente para Jesus Cristo, proferir o próprio gracioso convite, as palavras finais da Bíblia fazem eco ao chamado: “E o Espírito e a noiva dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida”. Essas últimas palavras soam como uma melodia da música celestial.

Ninguém menos do que o Filho de Deus apresenta a você esse mais do que urgente convite, e assegura a você o incentivo supremo dos pecados perdoados, do coração purificado e de uma nova vida concedida, que continuará se expandindo e brilhando por toda a eternidade. Jesus Cristo não apresenta a você um sistema de doutrina para que você estude; Ele não pinta um ideal para que você admire; Ele oferece a Si mesmo. Você não precisa de um sistema, e sim de uma pessoa; uma pessoa que expie seus pecados, que te ensine a viver, que seja capaz de ajudá-lo; sim, uma pessoa que entre no mais profundo de sua alma e fique ali como uma presença constante e um poder onipotente. Jesus lhe diz: Quem tem o Filho tem a vida”. O mais extraordinário homem do primeiro século declarou: “Vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus”.

Talvez você frequente alguma igreja cristã, desfrute de um bom sermão, leia frequentemente a Bíblia e a aceite como a inspirada Palavra de Deus. Você pode orar com frequência e até mesmo ter a intenção de se tornar um cristão antes de morrer. Mas as igrejas, os sermões, a leitura da Bíblia, as orações e as boas intenções não salvam sua alma. É Jesus Cristo que faz o cristão. Ele diz: “Vinde a mim”. O Espírito Santo diz: “Vem”. E de todas as multidões que foram vistas por João louvando a Deus, em brancas vestes celestiais, é declarado que lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro”.

“Como exatamente eu devo ir a Cristo?”. A esta adequada pergunta eu responderia que “ir” implica em uma ação de sua parte; é mais do que uma opinião, um sentimento ou um desejo. É um passo positivo. A única fé em Cristo que é verdadeiramente proveitosa é a fé que age. Sua fé pode atuar de duas maneiras na oração e na prática. Seus pecados pesam contra você, ore fervorosamente por perdão. Seu coração é impuro, ore por limpeza. Você está moral e miseravelmente fraco, ore por força. Mas toda essa oração não valerá de nada se você não fizer algo em direção ao atendimento de suas próprias petições. Obedeça a Cristo! Comece a fazer o que Ele manda. Isso significa uma pronta, sincera e consciente obediência ao novo Mestre. A primeira coisa que você faz para obedecer a Jesus Cristo marca a mudança; essa é a primeira evidência da conversão.

Cristo é muito gentil, paciente e bondoso com os iniciantes que são sinceros em ir a Ele. Ele diz: “Aprendei de mim”, da mesma forma como uma mãe amorosa orienta e ajuda seu bebê que está fazendo suas primeiras tentativas de caminhar. Lembre-se que você está lidando com alguém que é Todo-Poderoso e divino, que pode agir diretamente sobre você e sobre mim de uma forma sobrenatural, que promete Sua ajuda sobrenatural para o futuro, e quando você começa a obedecer, Ele diz com ternura: “Meu fardo farei leve; o meu jugo forrado com amor; minha graça te basta”.

“Se eu for a Cristo, devo negar a mim mesmo e tomar a minha cruz?”. Sim, você deve negar seu ser pecaminoso. Dificilmente se vê um ato nobre ser forjado neste mundo, sem que exija uma abnegação de algum tipo. Jesus Cristo não faz cristãos simplesmente para deixá-los confortáveis​​; Ele não fornece carros especiais para transportar discípulos mimados. É daquilo que você e eu abrimos mão por Cristo e pelo próximo que nos faz ricos. Alegre-se no fato de que Aquele que levou nossos pecados na cruz deseja que levemos “as cargas uns dos outros”, e assim cumpriremos a lei do amor. Rogo a você, não barganhe para ter uma religião barata e fácil. Seguir a Cristo traz algunsgólgotas”, mas a vitória e as santas alegrias nos esperam no topo; as cruzes se tornarão, então, em coroas brilhantes.

Sua graciosa promessa é: “Vinde a mim, e eu vos aliviarei”. Não entenda mal essa palavra tão rica. Ela não significa a ociosidade ou o céu com antecedência. Não há nenhuma carga, de escravidão tão esmagadora, quanto o pecado. O Redentor, a um custo infinito, morreu para livrá-lo da carga da culpa condenatória; você só pode encontrar alívio aceitando-O como seu substituto, seu sacrifício e seu Salvador. O alívio prometido a você é uma alma em paz. O dinheiro ou a fama não podem comprar isso. A doce sensação do pecado perdoado, a paz com Deus que traz conversão, o descanso que você sentirá quando sua consciência lhe disser que você está justificado – assim como a agulha da bússola que fica em repouso quando aponta para o pólo –, a satisfação de fazer o bem sob a inspiração de Cristo dentro de você e, finalmente, a certeza gloriosa do céu; tudo isso está estendido a você através da mão amorosa que foi molhada com lágrimas e com o sangue expiatório. Você pode recusar um convite como esse? Em seu “sim” ou “não” para Cristo pende o seu destino para toda a eternidade.


Extraído do Livro: Campaigning for Christ de Theodore L. Cuyler
Tradução ©Editora Letras 2015 


Theodore Ledyard Cuyler (1822-1909) foi um proeminente pastor presbiteriano de Nova Iorque. No auge de seu ministério, a Igreja da Avenida Lafayette se tornou a maior igreja presbiteriana do país. Cuyler escreveu milhares de artigos e 22 livros, dentre eles o livro "Ao Jovem Pregador", publicado pela Editora Letras. Acreditava firmemente que aquilo que um pregador faz fora de seu púlpito tem grande peso sobre o que ele faz no púlpito.




TEMORES IMPRÓPRIOS



“Vendo então os irmãos de José que seu pai já estava morto, disseram: Porventura nos odiará José e certamente nos retribuirá todo o mal que lhe fizemos.” Gênesis 50:15


Por essa suspeita injusta, eles mostraram quão abaixo de José eles estavam na verdadeira nobreza de caráter. Um coração generoso pode perdoar e esquecer francamente os danos que outros cometeram.
Perto do final do século XVII, um importante turco na Hungria fez de um nobre cristão seu prisioneiro, e tratou-o com o máximo de barbárie. O jugo de um boi foi colocado sobre o escravo e ele foi obrigado a arrastar o arado. Mas o rumo da guerra mudou, a Turquia caiu nas mãos dos húngaros, que disseram ao seu compatriota escravo: “Agora tome a sua vingança contra o teu inimigo”. Isso estava de acordo com o costume da época; e o turco supondo, como uma coisa natural, que seria torturado até a morte, já havia ingerido veneno, quando um mensageiro de seu antigo escravo cristão veio, dizendo-lhe para ir em paz; pois ele não tinha nada a temer. O muçulmano ficou tão impressionado com esse espírito celeste, que proclamou, em seu último suspiro: “Eu não morrerei muçulmano, mas morrerei cristão; pois não há nenhuma religião, a não ser a de Cristo, que ensina o perdão dos pecados”. 


The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015




Para Compartilhar


segunda-feira, 16 de março de 2015

PERGUNTAS PARA LEITORES DA BÍBLIA – PARTE 3

Perguntas de 29 a 42



29. Cite duas pessoas às quais a última parte de Hebreus 3:16 seria aplicável.

30. Onde mais o Salmo 57 aparece?

31. Qual o nome da neta de Jacó?

32. Quantos discípulos tinha Jesus quando participou das bodas em Caná da Galileia?

33. Qual dos filhos de Jacó tinha perdido a esposa antes do patriarca e sua família irem para o Egito?

34. Qual o nome da mãe de “Tiago, filho de Alfeu”? (Mateus 10:3).

35. Em Colossenses 4:3, Paulo fala do “mistério de Cristo”. Onde ele explica essa expressão?

36. Em qual parte das Escrituras é mostrado que os Salmos de Davi foram utilizados nos dias de Ezequias?

37. Os apóstolos referidos em Atos 9:27 eram apenas Pedro e Tiago. Como sabemos disso?

38. O arraial dos midianitas (Juízes 7:1) é numerado com pelo menos 135 mil membros. Como sabemos disso?

39. Paulo esteve por duas vezes em Cesareia antes de ser enviado como um prisioneiro (Atos 23:33). Onde isso nos é mostrado?

40. Que textos provam que Onésimo (Filemom 10) era de Colossos?

41. Com base em qual parte das Escrituras, é provável dizer que Paulo escreveu a Epístola aos Colossenses antes de ir visitá-los? 

42. Os "muitos dias" mencionados em Atos 9:23 foram três anos. Como sabemos disso?



Confira as respostas na próxima postagem sobre o tema




Extraído de: The Wesleyan Sunday-School Magazine and Journal of Education, Vol 3, 1868.
Tradução e Adaptação ©Editora Letras 2015



UM PAI PARA O AFLITO


 “Não nos salvará a Assíria, não iremos montados em cavalos, e à obra das nossas mãos já não diremos mais: Tu és o nosso deus; porque por ti o órfão alcança misericórdia.” Oseias 14:3


Dois homens eram vizinhos, e cada um deles tinha uma esposa e vários filhos pequenos, e apenas o seu trabalho para sustentá-los. Um destes dois homens ficou perturbado em sua mente, dizendo: “Se eu morrer, ou se eu ficar doente, o que será da minha esposa e dos meus filhos?”. E esse pensamento não o deixava. Isso consumia o seu coração como um verme devora o fruto em que está escondido. Agora, embora o mesmo pensamento tivesse também vindo ao outro pai, não conseguiu habitar nele. “Com efeito”, ele disse, “o Deus, que conhece tudo, também cuidará de mim e da minha esposa e dos meus filhos.” E este vivia pacificamente, enquanto o primeiro não aproveitava um instante de descanso ou de alegria interior. Um dia, quando ele estava trabalhando nos campos, triste e abatido por conta do seu medo, viu algumas aves entrarem em um arbusto, voarem para fora, e depois voltarem novamente. Após se aproximar do local, viu dois ninhos colocados lado a lado, e em cada um vários pequenos pássaros, recém-nascidos e ainda sem penas. Voltando ao seu trabalho, de vez em quando levantava os olhos e via estes pássaros, que iam e vinham, levando comida para os seus pequeninos. Mas, no momento em que uma das mães estava retornando com seu bico cheio, uma águia agarrou-a, e a levou para cima, enquanto o pobre pássaro, lutava em vão para se soltar. Com esta visão, o homem que estava trabalhando sentiu sua alma mais perturbada do que antes. “Com efeito”, pensou ele, “a morte da mãe é a morte dos filhos”. Os meus dependem apenas de mim; o que será deles se eu falhar?”. E durante todo o dia, ele ficou triste e abatido e, durante a noite, não dormiu. No dia seguinte, em seu retorno aos campos, ele disse para si mesmo: “Eu gostaria de ver os pequeninos daquela pobre mãe. Muitos deles, sem dúvida, já pereceram”. Assim, ele se arrastou para o mato, e olhando para dentro, viu os filhotes em bom estado de saúde, não parecendo ter qualquer tipo de sofrimento. Espantado com isso, ele se escondeu para observar o que estava acontecendo. E depois de um tempo, ouviu um piado, e viu a segunda mãe trazendo apressadamente a comida que ela tinha recolhido, a qual distribuiu para todos os pequeninos, sendo o suficiente para todos, e os órfãos não foram abandonadas em sua miséria. Assim, o pai que desconfiava da Providência Divina contou, à noite, para o outro pai o que tinha visto. E o outro disse-lhe: “Por que você ficou preocupado? Deus jamais abandona seus filhos. Seu amor tem segredos que não conhecemos. Vamos acreditar, vamos esperar, vamos nos amar e seguir nosso caminho em paz. Se eu morrer antes de você, você será o pai dos meus filhos; se você morrer antes de mim, eu serei o pai dos seus. E se nós dois morrermos antes que se tornem adultos, eles têm o Pai que está nos céus.” 

The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015







Para Compartilhar


sexta-feira, 13 de março de 2015

PERGUNTAS PARA LEITORES DA BÍBLIA – PARTE 2 – RESPOSTAS

Respostas das Perguntas de 15 a 28



15. André era irmão de Pedro, e Pedro era filho de Jonas (João 1:40, 42).

16. Erasto era procurador da cidade de Corinto (Romanos 16:23).

17. André foi um dos discípulos de João, antes de se tornar um dos apóstolos de Cristo (João 1:35-40).

18. Lucas era o único amigo cristão com Paulo quando ele escreveu: “Eu terminei minha a carreira” (2 Timóteo 4:11).

19. O Salmo 105:37 nos diz que quando Israel saiu do Egito “não houve um só fraco” entre eles.

20. O pecado de Orebe e de Zeebe é mencionado no Salmo 83:11.

21. O primeiro relato de um homem sendo vendido como escravo é feito em Gênesis 37:28.

22. Potifar colocou José como responsável pelo mordomo e pelo padeiro (Gênesis 40:4).

23. João teve as visões escritas no Livro do Apocalipse quando estava na ilha de Patmos (Apocalipse 1:9)

24. Encontramos uma referência ao pecado de Balaão em Apocalipse 2:14.

25. O Templo foi dedicado no mês “Etanim” (1 Reis 8:2).

26. Hemã, o ezraíta é mencionado em 1 Reis 4:31 e 1 Crônicas 2:6.

27. O Salmo 53 se assemelha muito ao Salmo 14.

28. A partir de Lucas 20:42 e Atos 2:34 e 35 fica claro que Davi escreveu o Salmo 110.


Extraído de: The Wesleyan Sunday-School Magazine and Journal of Education, Vol 3, 1868.
Tradução e Adaptação ©Editora Letras 2015



AVISOS NEGLIGENCIADOS




“Odeiam na porta ao que os repreende, e abominam ao que fala sinceramente.” Amós 5:10


Há uma história contada a respeito de dois homens no Rio Niagara, há alguns anos. Eles estavam indo em direção às quedas. Os remos estavam sobre o barco, e eles estavam bebendo, conversando e tendo um momento alegre. Alguém, na margem, viu o perigo e gritou para que eles voltassem, mas eles riram de seu medo e prosseguiram. Um pouco mais abaixo outra pessoa os viu, mas um deles ergueu a garrafa, sacudiu-a para ele e disse-lhe que grande momento eles estavam tendo. Eles não acreditaram no aviso, e não acreditaram que as quedas estavam perto. Eles haviam bebido demais e estavam intoxicados pelo álcool. Ah! Muitas almas se intoxicam com os assuntos deste mundo e seus planos aqui debaixo. Bem, não demorou muito para que mais alguém visse o perigo e os advertisse. Mas os homens continuaram, até que, finalmente, um deles disse: “Eu ouço as quedas!”. E eles pegaram os remos e remaram contra a corrente – tarde demais. Eles remaram e remaram, mas já era tarde demais. Eles não podiam remar contra aquela terrível corrente e, em poucos minutos, passaram das cataratas para as garras da morte, e perderam suas vidas porque não levaram o aviso a sério. Assim, Deus o convida a procurar o Seu Reino, e lhe diz que se você quiser buscá-Lo de todo o coração você irá encontrá-Lo. 


The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015




Para Compartilhar


quinta-feira, 12 de março de 2015

NINGUÉM PRECISA SE DESESPERAR


“Quem sabe se se voltará Deus, e se arrependerá, e se apartará do furor da sua ira, de sorte que não pereçamos?” Jonas 3:9


Uma certa pessoa foi tentada a concluir que a sua vida era perdida e miserável, e com pensamentos sombrios desceu à beira de um rio, com o objetivo de lançar-se nele. Assim, quando estava prestes a fazê-lo, pareceu ter ouvido uma voz lhe dizendo: “Quem sabe?”, como se as palavras tivessem sido ditas de forma audível. Por causa disso, ele foi levado a parar; seus pensamentos foram presos e, assim, começou a pensar na passagem de Jonas 3:9: “Quem sabe o que Deus pode fazer quando Ele proclama a Sua graça gloriosa? Quem sabe se alguém como eu pode encontrar misericórdia? Ou qual será o resultado da humilde oração ao céu pelo favor divino? Quem sabe para que propósitos Deus usará minha recuperação?” Tais pensamentos o levaram a tentar pedir a Deus para graciosamente capacitá-lo, em meio a todas as suas dúvidas e medos, a atirar-se pela fé em Jesus Cristo, que é capaz de salvar perfeitamente a todos aqueles que veem a Deus por Ele, humildemente desejando e esperando misericórdia por Seu amor à sua alma. Nisso, ele não ficou desapontado, e posteriormente tornou-se um cristão e eminente ministro, e por sua própria experiência das riquezas da graça foi muito útil para a conversão e conforto de outros. 


The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015







Para Compartilhar


quarta-feira, 11 de março de 2015

Para Compartilhar


A VONTADE DE DEUS É A MELHOR



“E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade.” Mateus 26:42


Um professor da Escola Dominical, instruindo a sua classe sobre a petição da Oração do Senhor, “Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu”, disse-lhes: “Crianças, vocês já me disseram o que deve ser feito: a vontade de Deus, e onde ela deve ser feita: na terra; e como ela deve ser feita: assim como ela é feita no céu. Como vocês acham que os felizes anjos fazem a vontade de Deus no céu, e como eles devem ser o nosso exemplo?”. A primeira criança respondeu: “Eles fazem imediatamente”; a segunda: “Eles fazem com dedicação”; a terceira: “Eles fazem sempre”; a quarta: “Eles fazem de todo o coração”; a quinta: “Eles fazem todos juntos”. Aqui houve uma pausa, e nenhuma outra criança parecia ter qualquer outra resposta, mas depois de algum tempo uma menina se levantou e disse: “Eles fazem isso sem nenhuma pergunta”. 


The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015




terça-feira, 10 de março de 2015

SER AGRADECIDO A DEUS


“Peço-te que aceites uma bênção do teu servo. Porém ele disse: Vive o Senhor, em cuja presença estou, que não a aceitarei. E instou com ele para que a aceitasse, mas ele recusou.” 2 Reis 5:15-16


Um filantropo, diz Bowes, mandou chamar uma senhora a quem ele deu uma quantia, em apoio a uma criança órfã. “Assim que a criança tiver idade suficiente”, disse ela, “eu vou ensiná-la a agradecer-lhe”. “Pare”, disse o homem de bem, “nós não agradecemos às nuvens pela chuva. Ensine a criança a olhar mais alto, e agradecer a quem dá tanto as nuvens quanto a chuva.”

É dito que dois monges, vieram ao Rei William Rufus e ofereceram grandes somas de dinheiro pelo sítio de um abade. A um terceiro monge que estava junto ao rei foi perguntado: “E quanto você quer dar pelo lugar?”. “Nenhum centavo, pois isso é contra a minha consciência”, respondeu o monge. “Então você a tem”, foram as palavras do rei antes de dar-lhe o lugar. 


The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015